ensino fundamental II

+55  98  2109 5000

orientação familiar e pedagógica

 

vamos aprender a estudar

As orientações a seguir objetivam que
você, estudante, racionalize seu
tempo de estudo, possibilitando,
assim, maior rendimento e tornando
o estudo mais eficiente.
Planeje seu método de acordo com
sua realidade, para que seja
dinâmico e pessoal.


1. como participar das aulas

Nas aulas, não basta a presença física;
é preciso aproveitar ao máximo,
com espírito ativo.
—Preste toda a atenção possível,
    concentre-se, evite as distrações
    durante a aula.
—Faça perguntas a si e ao professor
    sempre que necessário.
—Anote o assunto, suas reflexões e os
    pontos interessantes indicados
    pelo professor.
—Sublinhe as passagens importantes
    no texto.
—Complete o texto tendo em vista o
    que foi exposto na aula.

anotações em aula

Anotar é essencial para um estudante.
Daí a importância de fazer isso
desde cedo.
—Siga as orientações do professor.
—Tente ser rápido, utilizando
    abreviaturas e sinais próprios, e
    procure captar o essencial.

—Escreva poucas notas, sem
    elementos supérfluos.
—Não tome notas esparsas;
    estruture as ideias, usando,
    se possível, palavras próprias.
    Por isso, não copie apenas o
    que está escrito no quadro.
—É fundamental trabalhar as
    anotações, complementando-as
    com as de dois ou três colegas, pois a
    pesquisa e a discussão ajudam a
    suprir o que se perdeu, a entender
    melhor, a memorizar mais.
    Faça isso o mais cedo possível.

 

 

2. como estudar em casa

O local deve ser cômodo para estudar,
ser claro, arejado e silencioso.
—Fique longe de aparelhos telefônicos,
   TV, rádio, computador etc.
—Evite ruídos e distrações.
—Organize seu local de estudo.

É preciso criar disposição para o estudo.
—Não se acomode em sofás, camas ou
   lugares que permitam deitar, que
   convidem ao relaxamento.
—Sente-se de forma correta diante de
   uma mesa, em uma cadeira com
   encosto, observando a postura
   adequada para estudar.

Elaborar um roteiro para estudar é
muito importante. Faça uma previsão
para o dia seguinte, observando os
horários de estudo, de folga e o
tempo disponível para as prioridades.
—Elabore um roteiro semanal de estudo
   (agenda de estudo).
—Veja o mais importante, o mais
   urgente, o mais demorado.
—Determine o tempo destinado a
   cada uma das disciplinas, evitando
   períodos de estudo intensivos.
—Observe o horário em que você
   produz mais, a fim de evitar o
   cansaço, o desinteresse.
—Intercale as matérias.
   Não estude matérias muito
   parecidas em sequência.
—Estude todos os dias no mesmo
   horário e, de preferência,
   no mesmo local.
—Faça modificações em seu
   planejamento sempre que
   julgar necessário.
—Deixe lugar para um imprevisto e
   tempo para compensá-lo.
—Faça pequenos intervalos de
   descanso (de 5 a 10 minutos).

Procure concentrar-se, observando
os seguintes detalhes:
—Estabeleça uma sequência
   dos assuntos estudados.
—Preste atenção apenas ao que
   você vai estudar.
—Evite situações que provoquem
   distrações e tensões emocionais e
   desligue-se de tudo o que não
   diz respeito ao que vai ser estudado.
—Tente não deixar que suas
   preocupações o perturbem na
   hora de estudar.

A atenção depende do interesse e da
disponibilidade dos sentidos
(concentração da visão e da audição
para maior captação de informações).
Para isso:
—Leia os títulos do tema a ser
   estudado, buscando a compreensão
   inicial do assunto.
—Concentre-se.
—Faça a leitura de todo o texto e,
   em seguida, releia-o, buscando
   compreender cada trecho.

 

 

3. Como estudar em grupo

O estudo em grupo pode ser espontâneo,
marcado pelos alunos ou sugerido
pelo professor. A participação do
grupo consiste em:
—Fazer um esforço de cooperação,
   lembrando que se vai fazer um
   trabalho inteligente.
—Respeitar os companheiros,
   principalmente ouvindo-os.
—Cooperar ativamente para o bom
   andamento da reunião, isto é, para
   seu progresso e seu término.
—Trazer sua contribuição no tempo
   desejado (ordem do dia), sem
   perda de tempo (tempo de cada
   intervenção), tendo um senso
   vivo de comunicação.

 

Adaptação do texto de Reinilda Maria

Salgado, revista Construir Notícias.

Fonte:
Revista Pedagógica
, Consultoria
Técnica Educacional, ano IX,
n. 52, p. 43-46, jul.-ago. 1991.